Momentos Antológicos do Cinema 07 – Os Caçadores da Arca Perdida (Riders of the Lost Ark, 1981) – Sequência de abertura e perseguição ao caminhão nazista

indiana-amsel

Quando falei sobre a “Rider’s March”, tema de “Os Caçadores da Arca Perdida”, afirmei que Indiana Jones era o maior e mais icônico herói do cinema. Não só reafirmo o que disse, como digo mais: “Os Caçadores da Arca Perdida” é o melhor filme de aventura já feito; não há nenhum outro que chegue perto do nível de qualidade atingido por Steven Spielberg. E não só isso: se tivesse que fazer um top 10 dos melhores filmes de Spielberg, ficaria em dúvida se colocaria em primeiro “Os Caçadores da Arca Perdida” ou “Tubarão” (Jaws, 1975), pois, a cada vez que reassisto a ambos, os dois filmes só melhoram.

Ao lembrar de “Os Caçadores da Arca Perdida”, quatro coisas me vêm logo à mente: a própria figura de Indiana Jones (Harrison Ford de jaqueta, chapéu e chicote), a trilha sonora de John Williams, a sequência de abertura do filme e a sequência de perseguição ao caminhão nazista.

A sequência de abertura é uma das mais emblemáticas já feitas, pois Spielberg consegue, naquele início, apresentar o personagem ao público de forma a destacar seu espírito aventureiro e algumas de suas características marcantes em três momentos:

a) ao esperar alguns minutos após os créditos iniciais para revelar a identidade do herói (apenas quando este utiliza o chicote para atingir a mão de um homem que ia atirar nele, delimitando a importância daquele objeto para a composição do personagem);

b) quando Indiana Jones chega à caverna (cheia de armadilhas!) que contem o ídolo, Spielberg dá uma aula da relevância do tempo e espaço na elaboração de uma cena, pois após a caverna começar a desabar, Indiana Jones é traído e tem que escapar enquanto uma porta se fecha: observe como Spielberg foca entre o esforço do arqueólogo para sair de um buraco e o movimento da porta se fechando, o que cria a tensão necessária para o espectador se importar com o destino do personagem (há que se destacar que o personagem volta para pegar seu chicote – o que mostra novamente a importância do objeto para o herói, e também que depois ocorre a famosa cena de Indiana Jones fugindo da bola de pedra);

c) por fim, Indiana Jones escapa de vários índios correndo em plena selva amazônica, agarrando-se em um cipó como Tarzan (referência a um herói clássico) e ao entrar no avião, percebe que há uma cobra subindo por sua perna (o que serve para Spielberg já estabelecer o medo que o personagem tem de cobras – medo este que será importante em cena posterior do filme).

Estes três momentos coloquei abaixo:

A sequência da perseguição ao caminhão nazista é simplesmente uma das grandes sequências de ação da história do cinema: um casamento perfeito entre as imagens e a trilha  composta por John Williams.

Advertisements

Análise e palpites do Oscar 2013

poster-Oscar-85-2013-estatuetas-grande

De todos os filmes indicados ao Oscar de Melhor Filme, os dois únicos que não vi foram “As Aventuras de Pi” e “Os Miseráveis”. No entanto, estes dois filmes têm pouca ou quase nenhuma chance de levarem a estatueta de Melhor Filme.

O Oscar é um prêmio político acima de tudo e, em último caso, não serve como parâmetro para avaliar a qualidade técnica e artística de um filme . A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood mais errou do que acertou ao longo de sua história na entrega do prêmio; vários absurdos foram cometidos (exemplos : “Chicago”, “Shakespeare Apaixonado”, “Crash – No Limite” , “Quem quer ser um milionário” e “O Discurso do Rei” ganharam o Oscar de Melhor Filme nos últimos anos, alguns deles filmes medíocres e outros ruins, filmes que nem deveriam ser indicados para começo de conversa; diretores do calibre de Alfred Hitchcock e Stanley Kubrick, mesmo com várias obras-primas na carreira, não levaram sequer uma única estatueta de Melhor Diretor para casa; “Os Bons Companheiros” de Martin Scorsese – talvez o melhor filme da década de 90 – perdeu o Oscar em 1991 para o mediano “Dança com Lobos” de Kevin Costner).

Das ausências sentidas na lista de Melhor Filme deste ano, cito, sobretudo “007-Operação Skyfall” que não só é o melhor filme de James Bond feito até hoje como também foi um dos melhores filmes que eu vi no ano de 2012. Daniel Craig está ainda melhor como Bond, Javier Bardem faz um vilão sensacional (talvez o melhor da série até agora) e Judi Dench mais uma vez está muito bem como M. Não faltam referências a aspectos clássicos da franquia (principalmente no final) e Roger Deakins arrebenta na fotografia do filme (há cenas de beleza deslumbrante). Sam Mendes deu aos fãs, nos 50 anos de Bond comemorados ano passado, o melhor presente de todos: um filmaço. Pelo menos, como consolação, o filme está concorrendo em 5 categorias técnicas: Melhor Canção, Melhor Fotografia, Melhor Mixagem de Som, Melhor Edição de Som e Melhor Trilha Sonora.

Dos filmes que concorrem ao Oscar de Melhor Filme este ano, o único que realmente merece ser chamado de “Melhor Filme” é “A Hora Mais Escura”, um excelente thriller político e de ação que bebe na fonte de filmes como “Todos os Homens do Presidente” para construir de maneira quase que documental a impressionante caçada da CIA (destaque para incrível transformação da personagem de Jessica Chastain ao longo do filme e para profundidade que ela consegue imprimir em tela) e do exército norte-americano ao terrorista Osama Bin Laden. Os outros filmes são bons de uma forma geral, mas nenhum consegue se igualar a “A Hora Mais Escura”. Se, como ao que tudo indica, “Argo” ganhar o prêmio de Melhor Filme, não será um absurdo como o que ocorreu com os outros filmes citados acima e que também levaram o prêmio de Melhor Filme anteriormente; entretanto, ganhará o prêmio mais pelo fato da polêmica em torno de “A Hora Mais Escura” (senadores dos EUA chamaram o filme de “grosseiramente impreciso e enganoso” por sugerir que a tortura ajudou os Estados Unidos a rastrear o líder da Al Qaeda até um complexo no Paquistão. Os senadores citaram registros de inteligência divulgados em abril de 2012, que mostraram que isso não era o caso e disseram que o filme “tem o potencial de influenciar a opinião pública norte-americana de uma forma perturbadora e enganosa”. Isto fez o filme perder força na reta final das premiações da indústria cinematográfica) do que por méritos próprios.

“Argo” é um ótimo filme e mostra uma evolução na carreira de Ben Affleck como diretor. No entanto, não consegue bater ou ao menos igualar os méritos artísticos e técnicos do filme da diretora Kathryn Bigelow (que, diga-se de passagem, também foi esnobada neste Oscar na categoria de Melhor Diretor, assim como Ben Affleck e Quentin Tarantino); algo que fica mais evidente ainda pelo fato do filme de Affleck também ser um thriller político. O ponto forte de “Argo” é a verossimilhança com que Affleck consegue retratar o absurdo e quase que surreal plano da CIA (fazendo várias referências à própria Hollywood) para libertar seis americanos que encontram-se abrigados na casa do embaixador canadense na época da Revolução Iraniana.

“Django Livre” é uma bela homenagem de Quentin Tarantino aos westerns spaghetti da década de 60 (os filmes de faroeste feitos por diretores italianos como Sergio Leone e Sergio Corbucci), mas tem problemas de ritmo perto do final e não está no mesmo nível de excelência de outras obras do diretor, sobretudo “Pulp Fiction”, “Cães de Aluguel” e, de seu filme anterior, “Bastardos Inglórios”.  O destaque vai para as atuações inspiradas de Christopher Waltz, Leonardo DiCaprio, Samuel L. Jackson e Jamie Foxx e para o roteiro de Tarantino que contém, como de costume, diálogos afiados e impagáveis.

“Lincoln” sofre de problema parecido a “Django Livre”, pois Steven Spielberg arrasta desnecessariamente o filme demais perto do seu final, tudo como pretexto para tentar ser melodramático e arrancar algumas lágrimas do espectador. “Lincoln” é muito bom quando se concentra em todo o debate e esquema políticos por trás da aprovação da 13ª Emenda da Constituição norte-americana (Emenda que aboliu a escravidão nos EUA), mas não mantém o nível quando foca na relação do presidente Abraham Lincoln com sua insuportável mulher (Sally Field totalmente exagerada em cena) e com seu filho. Os méritos do filme vão quase todos para aquele que considero o melhor ator em atividade atualmente: Daniel Day-Lewis, ator que se transforma nos personagens que interpreta de maneira tal que é inevitável não reverenciá-lo e conceder-lhe todos os prêmios a que tem direito.

“O Lado Bom Da Vida” tem sua força nos excelentes diálogos (méritos aí para o roteiro) e nas interpretações humanas e sensíveis que o diretor David O. Russel consegue arrancar do seu elenco: Bradley Cooper (interpreta o bipolar Pat de maneira carismática e real, mostrando que pode ir mais além do que o papel de “galã” em filmes de comédia romântica despretensiosas), Jennifer Lawrence (é quase impossível não se apaixonar pela problemática, maluca e verdadeira Tiffany interpretada por ela) e Robert DeNiro (desde “Cassino” e “Fogo Contra Fogo” DeNiro não entrega uma atuação do mesmo nível da apresentada aqui; é, sem dúvidas, a maior surpresa agradável do filme e, em se tratando de atuação, uma das maiores surpresas do ano). “O Lado Bom Da Vida” é o tipo de filme que faz o espectador sair bem do cinema (o chamado “feel good movie”), mas, ao mesmo tempo, o faz pensar sobre como superar as dificuldades da vida; o grande tema do filme é este: a superação (no caso, a doença sofrida pelo personagem principal).  A verdade é que todos nós temos um pouco de Pat e Tiffany.

De “Amor” e “Indomável Sonhadora” tenho pouco a dizer: apenas que o primeiro, apesar de ser um bom filme, ter boas atuações, ter ganho a Palma de Ouro no Festival de Cannes de 2012 e ser o favorito a levar o Oscar de Filme Estrangeiro, não é nem de perto a obra-prima que muitos críticos estão dizendo que é (o diretor Michael Haneke já foi melhor em “Violência Gratuita” e “Caché”, por exemplo); quanto ao segundo, é o típico filme independente simpático que Hollywood todos os anos tenta elevar ao status de cult (mais ou menos o que aconteceu com “Juno” em 2007), mas que daqui a um ano ninguém vai lembrar mais (esse filme só vale ser visto mesmo pela atuação da menina Quvenzhané Wallis como a personagem Hushpuppy).

Abaixo, dou minhas notas para os 7 filmes que vi e que concorrem ao Oscar de Melhor Filme e meus palpites para as principais categorias (como não vi ainda nenhuma das animações que concorrem ao Oscar nem os documentários, não darei palpites nessas categorias).

NOTAS

– A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty)_Kathryn Bigelow

zero_dark_thirty_ver4_xlg

Nota: 9,0

– Argo_Ben Affleck

argo-poster1

Nota: 8,5

– Django Livre (Django Unchained)_Quentin Tarantino

Django-Unchained-poster-II

Nota: 8,5

– Lincoln_Steven Spielberg

lincoln-poster_743x1100

Nota: 8,0

– O Lado Bom Da Vida (Silver Linings Playbook)_David O.Russel

silver-linings-poster

Nota: 8,0

– Amor (Amour)_Michael Haneke

OPCC_01_AMOUR_8.14_Layout 1

Nota: 7,5

– Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild)_Benh Zeitlin

beats-of-the-southern-wild-movie-poster

Nota – 7,0

PALPITES

– MELHOR FILME

Acredito que vai ganhar: Argo.

Deveria ganhar: A Hora Mais Escura.

– MELHOR DIRETOR

Acredito que vai ganhar: Steven Spielberg.

Deveria ganhar: Entre os indicados, nenhum. Se o Oscar não tivesse feito besteira e  tivesse indicado Kathryn Bigelow, ela deveria ser a vencedora. O Oscar também não seria mal dado a Ben Affleck ou Quentin Tarantino. No entanto, nenhum deles foi indicado.

– MELHOR ATOR

Acredito que vai ganhar: Daniel Day-Lewis.

Deveria ganhar: Daniel Day-Lewis.

– MELHOR ATRIZ

Acredito que vai ganhar: Jennifer Lawrence.

Deveria ganhar: Jennifer Lawrence. No entanto, se o Oscar for dado para Jessica Chastain não será mal dado, pois sua interpretação da agente da CIA Maya é a alma de A Hora Mais Escura.

– MELHOR ATOR COADJUVANTE

Acredito que vai ganhar: Christopher Waltz.

Deveria ganhar: Talvez esta seja a categoria mais disputada esse ano. Acredito que além de Christopher Waltz, outro que tem grandes chances de levar o prêmio é Tommy Lee Jones. No entanto, pelo fator surpresa e também por conseguir entregar uma atuação que há muito tempo não conseguia, eu acho que Robert DeNiro deveria ganhar. Não daria o prêmio para Christopher Waltz porque sua interpretação em Django Livre é bem parecida com a de Bastardos Inglórios.

– MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Acredito que vai ganhar: Anne Hathaway, apesar de não ter visto Os Miseráveis.

Deveria ganhar: Como não vi Os Miseráveis (por qual  Anne Hathaway concorre) nem As Sessões (por qual Helen Hunt concorre), não tenho como dar uma opinião abalizada sobre esta categoria. No entanto, dos filmes que eu vi, acredito que Amy Adams seria uma boa escolha.

– MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

Acredito que vai ganhar: Django Livre.

Deveria ganhar: Django Livre. Apesar de que não acharia ruim se A Hora Mais Escura vencesse.

– MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

Acredito que vai ganhar: Argo.

Deveria ganhar: Argo.

– MELHOR FILME ESTRANGEIRO

Acredito que vai ganhar: Amor, até porque está indicado na categoria melhor filme.

Deveria ganhar: Não tenho como dar opinião, pois não vi os outros 4 indicados.

– MELHOR FOTOGRAFIA

Acredito que vai ganhar: As Aventuras de Pi, por tudo que se tem falado na imprensa nas última semanas ( isto porque não vi o filme ainda).

Deveria ganhar: 007 – Operação Skyfall.

– MELHOR CANÇÃO

Acredito que vai ganhar: 007 – Operação Skyfall.

Deveria ganhar: 007 – Operação Skyfall.

– MELHOR MONTAGEM

Acredito que vai ganhar: Argo.

Deveria ganhar: A Hora Mais Escura.

– MELHORES EFEITOS VISUAIS

Acredito que vai ganhar: As Aventuras de Pi.

Deveria ganhar:  Em relação aos filmes que vi daria o Oscar para O Hobbit.

– MELHOR TRILHA SONORA

Acredito que vai ganhar: As Aventuras de Pi

Deveria ganhar: 007 – Operação Skyfall.

– MELHOR FIGURINO

Acredito que vai ganhar: Anna Karenina, apesar de não ter visto o filme.

Deveria ganhar: Entre os que vi, Lincoln.

– MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Acredito que vai ganhar: Anna Karenina.

Deveria ganhar: Entre os que vi, Lincoln.

– MELHOR EDIÇÃO DE SOM

Acredito que vai ganhar: Argo.

Deveria ganhar: A Hora Mais Escura

– MELHOR MIXAGEM DE SOM

Acredito que vai ganhar: Os Miseráveis, por ser um musical.

Deveria ganhar: 007 – Operação Skyfall

– MELHOR MAQUIAGEM

Acredito que vai ganhar: Os Miseráveis.

Deveria ganhar: O Hobbit.

Trilha Sonora 01 – Raiders March – Indiana Jones

A aventura tem um nome: Indiana Jones.

Eu sou um grande fã de Indiana Jones (pelo menos dos três filmes da década de 80, pois o quarto filme deve ser ignorado pelos fãs, apesar de ter algumas coisas legais). Para mim, Indiana Jones é o maior herói do cinema, o mais icônico e também aquele que possui a melhor trilha sonora!

Então, nada melhor do que começar a seção Trilha Sonora com a música tema de “Os Caçadores da Arca Perdida” (e que depois se tornaria a música tema do personagem) : a “Raiders March”, composta pelo genial John Williams.

Em outras oportunidades falarei mais sobre Indiana Jones (a caixa contendo os 4 filmes e mais 1 blu-ray de extras será lançada no final deste mês de setembro!), Steven Spielberg e John Williams.

Por enquanto, fiquem com esta fantástica música.